Planos de Saude Todos AquiFale com um consultor

Amil promete continuar com planos e coberturas mesmo após ser vendida para United Health

Empresa está na mira da ANS por descumprimento nos serviços aos beneficiários. Associação de defesa do consumidor cobra melhores planos
Após ser vendida para a United Health, a operadora de planos de saúde Amil prometeu que continuará com os planos de saúde e com as coberturas originais aos beneficiários.
Ultimamente a empresa foi alvo de reclamações dos usuários em relação aos diversos planos de saúde que comercializa. Inclusive, alguns destes planos comercializados pela Amil estão na lista de planos suspensos pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Os usuários reclamam principalmente de problemas no cumprimento de contratos e na dificuldade em cumprir prazos estipulados.
Amil saúde

Segundo o fundador e CEO da Amil, Edson Bueno, nada mudará nos planos de saúde oferecidos pela empresa com a venda para a United Health. "Com a associação à United, a Amil se torna uma empresa global, e passa a integrar o maior e mais admirado grupo de saúde das Américas", ressaltou o CEO ao portal InfoMoney.

Cumprimento das normas de saúde
A coordenadora institucional da Proteste - Associação de Consumidores, Maria Inês Dolci, ressalta que será necessário um grande trabalho por parte da ANS (Associação Nacional de Saúde Suplementar) para acompanhar a nova gestão da Amil. Conforme diz, será preciso que a United Health faça uma gestão de acordo com o modelo brasileiro de saúde. “Nos Estados Unidos há um outro modelo de gestão completamente diferente do modelo que temos hoje no Brasil”.

A coordenadora da Proteste também diz que o setor de planos de saúde passa por uma crise que permeia a questão da oferta e da demanda, pois a quantidade de usuários dos planos não é proporcional ao número de empresas que oferecem os planos.

“Outra questão é discutirmos o que queremos para a setor no Brasil, a saúde assistencial passa por crise. Temos que buscar meios para que o consumidor tenha um melhor acesso à rede assistencial de saúde no País”, conclui. INFOMONEY