Planos de Saude Todos AquiFale com um consultor

Plano de saúde básico para idoso saudável custa mais de R$ 2.000 ao mês

Em um ano, são mais de R$ 24 mil só com o convênio, ou seja, valor de um carro zero km

Enquanto a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) parte a favor do consumidor e pune os planos de saúde fora das exigências regulamentadas, representantes de vendas das operadoras oferecem opções para idosos na falta do plano procurado. Planos empresariais "disfarçados" de individuais que chegam a R$ 2.086,79 para um senhor saudável de 60 anos. Em um ano, são mais de R$ 24 mil só com o convênio, o que daria para comprar um carro popular zero km.

Foi o que constatou a reportagem do R7 ao consultar, como cliente, as opções das 14 principais operadoras de São Paulo e Brasília. No quadro abaixo, compare os preços para a contratação de um plano individual para um idosos saudável, ou seja, sem doenças pré-existentes, além das opções para outros tipos de usuários.

Os representantes de vendas enviaram a relação de planos e idades, mas quando um plano suspenso pela ANS era escolhido, diziam que o pacote não era mais oferecido, apesar de constar na tabela. Em seguida, eles sugeriram que fosse adquirido um CNPJ para o plano mais próximo do perfil e do bolso do consumidor.

Saiba como driblar problemas em plano suspenso

O diretor executivo da empresa Assessoria de Serviços Médicos Tasleben, Maurício de Oliveira Menezes, não descarta a possibilidade de haver casos em que os vendedores seguem uma tática de oferecer outro plano que compense a falta do suspenso pela ANS.

— É preciso tomar muito cuidado, no entanto, porque o plano pode até ter o mesmo preço, mas terá provavelmente serviços diferentes daqueles buscados. O convênio médico emprescalibri, quando oferecido ao consumidor, pode oferecer um serviço ocasionalmente não desejado, como a abrangência nacional, em certos casos. Além disso, o consumidor pode sair desfavorecido quando decidir migrar de plano, pois um é para empresa e o outro para pessoas.

Preços

Na simulação de plano básico para um paulistano de 30 anos sem doença pré-existente, a variação de preço nos pacotes oferecidos chegou a 64% entre as operadoras Prevent Senior, Amil, Unimed Paulistana, Ameplan, SulAmérica, Dix Saúde e Medial. Os planos têm diferença na rede de hospitais, mas a carência — período em que o paciente não tem reembolso para cirurgias enquanto paga — é a mesma (dois anos) para todos.

Em Brasília, a pesquisa feita com oito operadoras para clientes de 12 anos revela que os preços dos pacotes básicos variam de R$ 56,83 a R$ 2.237,48 mensais. Já o paciente saudável de 30 anos pode pagar de R$ 88,58 a R$ 3.233,88. As operadoras consultadas foram Amil, Classes Laboriosas, Golden Cross, One Health, Santa Amalia, Santa Helena, São Cristóvão e Transmontano.

Diferente da pesquisa de São Paulo, o levantamento de Brasília incluiu também os serviços mais completos. Deles, o mais caro para quem tem 12 anos é da One Health, com acomodação em apartamento, e chega a R$ 2.237,48 por mês. A média, no entanto, gira em torno de R$ 120 reais.

No caso de um adulto de 30 anos, o plano mais barato é da Amil, de R$ 88,58. O mais caro, da One Health, chega a R$ 3.233,88 com acomodação de apartamento.

Cuidados

Maurício Menezes ressalta que o melhor critério de escolha ao fechar a contratação de um plano de saúde é o índice de reclamação.

— O ideal é verificar a quantidade de queixas feitas sobre a operadora no próprio site da ANS. É comum constar no livreto de planos certos serviços que na verdade são cobrados. Às vezes, um convênio da classe C ou D não atende metade do que está mencionado no plano.

O especialista explica que isso acontece porque determinado hospital pode estar credenciado para atender planos mais caros, e o representante de vendas da operadora pode omitir essa informação na hora da consultoria.

— O médico pode também ficar insatisfeito com o convênio e interromper o atendimento. Por isso, é recomendável telefonar para o hospital de preferência e perguntar se o convênio ainda é vigente.

A ANS informa que o plano para empresa não tem reajuste sob tutela da agência — ou seja, a empresa pode aumentar o preço sem que a ANS possa interferir. Planos empresariais também ão oferecidos ao indivíduo que procura um plano para toda a família.

Durantes as consultas, os vendedores que fizeram a recolha de informações sobre planos a serem oferecidos justificaram os valores com os prazos e tempo de atendimento incluídos nos pacotes. No entanto, alguns deles eram obrigatórios e estipulados pela agência reguladora. R7